O leilão A-1, que fechou contratos de suprimento de janeiro de 2018 a dezembro de 2019, registrou a negociação de 288 megawatts médios em eletricidade, que deverão movimentar 895,4 milhões de reais.

A disputa registrou deságio de 18,2 por cento em relação ao preço-teto estabelecido, ao negociar contratos a um preço médio de 177,46 reais por megawatt-hora.

O leilão A-2 contratou 423 MW médios em eletricidade a um preço médio de 174,52 reais por megawatt-hora, com deságio de 9,6 por cento ante o teto. Ele fechou contratos para fornecimento de 1º de janeiro de 2019 a 31 de dezembro de 2020, que vão movimentar cerca de 1,3 bilhão de reais, segundo a CCEE.

Como deságio verificado nos leilões, a CCEE calculou uma economia de 336,5 milhões de reais para os consumidores de energia.

Participaram como compradoras da energia negociada 12 concessionárias de distribuição no A-2, com destaque para a Coelba (30 por cento do total negociado), Eletropaulo (17 por cento) e Cepisa (12 por cento); no A-1 foram dez distribuidoras, com predomínio de RGE (34 por cento do total), da CPFL, Eletropaulo (28 por cento) e Coelba (12 por cento).

Os leilões de energia existente oferecem a investidores do setor a oportunidade de fechar contratos de venda da produção de usinas já com outorga para as distribuidoras, que atendem os consumidores finais.

Fonte: http://www.dci.com.br/industria/leil%C3%B5es-contratam-r-2-2-bi-em-energia-de-usinas-existentes-diz-ccee-1.604515