“Além disso, é um absurdo um projeto desse para atender apenas um trecho de 4 km da cidade. Mobilidade urbana é para todos”, argumentou o promotor, lembrando que a obra iria girar em torno de R$ 150 milhões.

Como seria

O “Bus Rapid Transit” (BRT) é um sistema de transporte de passageiros que utiliza os ônibus com a ajuda de uma grande infraestrutura que proporciona viagens mais rápidas, confortáveis e eficientes. Apesar da sigla em inglês, o BRT surgiu em Curitiba (PR) há mais de 40 anos e, graças a ele, a cidade passou a ser referência para o Brasil e o mundo sobre transporte público.Em Jundiaí, o projeto esteve próximo de sair do papel, já que o Governo Federal já havia garantido mais de  R$ 100 milhões. Além desse valor mais R$ 28,5 milhões devem vir da prefeitura. O primeiro trecho do BRT na cidade iria ligar o terminal no bairro Colônia até a Praça Rui Barbosa, na região central.Por causa dessa ação, mais a ação da contratação de comissionados, que o MP moveu contra o ex-prefeito Pedro Bigardi,  resultou em um processo fazendo com que o ex-prefeito responda por improbidade administrativa. Ele ainda recorre da decisão.Em nota, o ex-prefeito disse ao Portal Tudo que “O projeto para construção dos corredores exclusivos para trânsito rápido de ônibus (BRT) seguiu todas as determinações exigidas pela legislação, inclusive em relação aos licenciamentos ambientais. O Estudo de Impacto de Vizinhança faz parte do projeto executivo, que deve ser mantido para benefício de toda a população. Trata-se de uma iniciativa moderna e inovadora para o sistema de transporte coletivo da cidade, que já conta com orçamento para execução do primeiro trecho, entre o Terminal Colônia até o Centro da cidade, e previsão de construção de três novos viadutos, estações de pré-embarque e reforma dos terminais Colônia e Vila Arens”.

Fonte: http://tudo.com.vc/jundiai-regiao/politica/2017/03/27/sai-mais-uma-decisao-do-brt-sem-plano-de-mobilidade-urbana-concluido-projeto-e-descartado/