Realizar busca
- 24/04/2018 - 08:43
Mirae Asset quer entrar “gigante” no restrito mercado de administração de fundos

SÃO PAULO – A Mirae Asset Wealth Management está se preparando para entrar forte no restrito e complexo mercado de administração de fundos, segmento que, nas palavras da própria empresa, é “carente” de bons serviços no Brasil. Para isso, um investimento milionário em tecnologia e em pessoas está sendo feito pela instituição sul-coreana, que espera alcançar ainda em 2018 uma fatia bilionária deste mercado até o fim do ano.

“Pretendemos atender fundos líquidos chamados de 555 [referente à instrução da CVM], fundos de fundos, multimercados e fundos estruturados, oferecendo toda a cadeia de serviços necessária para Administração, Controladoria, Custódia e Distribuição, e em breve, escrituração de cotas”, diz Pablo Spyer, diretor de operações da Mirae e conselheiro eleito da Ancord (Associação Nacional da Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias).

Com aprovação concedida em dezembro pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para atuar como administração fiduciária, a Mirae entrará num segmento com forte participação dos 4 grandes bancos do País – Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander – mas também com outras instituições como BEM, Intrag e BNY Mellon (veja ranking ao final da matéria). O público-alvo deste serviço são gestores de recursos, clientes institucionais, seguradoras, fundos de pensão, bancos e empresas.

A Mirae apoia-se na sua expertise em mercados emergentes para brigar por uma fatia deste bolo. “Não é um projeto pequeno, entraremos gigante neste mercado”, diz Spyer. Quase R$ 1 milhão já foi investido desde dezembro na criação desta nova área e a meta é investir mais R$ 2 milhões nos próximos 12 meses, afirma o diretor. Três profissionais foram contratados para montar a área de administração dos fundos e a área pode chegar a ter 6 pessoas. “Queremos começar grandes para se colocar como um player relevante. Só assim ela vai dar certo”, diz Spyer.

A área deve ter o “start” na operação em junho, quando os primeiros fundos administrados deverão ser lançados. “Já temos 8 clientes novos com propostas enviadas e aceitas, totalizando R$ 800 milhões. Alguns deles já estão rodando em versão ‘Beta’ ou testando o serviço. E existem conversas com fundos que estudam administrar mais de R$ 2 bilhões em ativos conosco, que é a nossa meta de 2018”, explica. Para a estratégia dar certa, o diretor aposta na combinação “bons serviços com preço baixo”, visando assim ganhar escala.

Além do crescimento orgânico, o grupo asiático considera aquisições de outras administradoras no Brasil. “Nenhuma conversa está descartada e há oportunidades no mercado”, conclui o diretor da Mirae.

As obrigações de uma administradora de fundos, segundo a ANBIMA:

Prestação de serviço de Administração Fiduciária:
*Constituição e registro do fundo;

*Processos societários e contratuais envolvendo o fundo;
*Convocação e confecção das atas de assembleia;
*Atendimento das demandas dos órgãos reguladores e autorreguladores;
*Due Diligence nos Prestadores de serviços contratados;
Monitoramento do envio de dados e informações à CVM e ANBIMA;
*Enquadramento dos fundos;

*Gerenciamento de risco.

Serviço de Controladoria e Custódia:
*Controle do fundo; Controladoria dos Ativos (carteira, Compra e Venda de Ativos) e Passivo (Aplicação e resgates de cotistas);

*Divulgação das cotas;
*Liquidação financeira;
*Controle de eventos;
*Contabilização;
*Guarda física e eletrônica da Custódia de papéis do Fundos;
*Precificação dos ativos.

 

 

Fonte: InfoMoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Clima

 

Cotação


Cotações de Moedas fornecidas por Investing.com Brasil.
​​