Realizar busca
- 22/10/2019 - 07:00
Investimento social cai, mas empresas buscam alinhamento com negócios e metas da ONU

Os investimentos sociais das empresas brasileiras caíram em 2018, tanto em termos absolutos quanto em proporção do seu lucro bruto, de acordo com a nova edição da pesquisa BISC (Benchmarking do Investimento Social Corporativo), divulgado pela organização social Comunitas.

Em um cenário de restrição de recursos para investimentos em geral, institutos, fundações e grandes companhias nacionais que participam do levantamento têm procurado rever o conteúdo dos projetos em curso para adequá-los aos seus negócios.

O setor de serviços, no qual o investimento das instituições financeiras é representativo, por exemplo, tem focado cada vez mais a área educacional, como educação financeira.

Já o setor industrial se destaca pelo direcionamento de recursos para as áreas cultural e capacitação para geração de trabalho e renda.

As metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, agenda lançada em 2016, também são citadas como referência para os trabalhos desenvolvidos: 90% das companhias identificaram conexão de seus projetos sociais com os ODS; 44% já estabeleceram metas com base nesses objetivos.

No ano passado, as 254 empresas e 17 institutos e fundações empresariais entrevistados investiram R$ 2,1 bilhões na área social, queda de 13% em relação ao ano anterior, quando o número havia ficado praticamente estável.

Em relação ao futuro, as empresas estão otimistas: 65% estão prevendo ampliar ou, pelo menos, manter nos próximos dois anos os investimentos realizados nos anos recentes.

Na comparação internacional, feita a partir do lucro bruto, o investimento social foi de 0,77% dos ganhos empresariais, ante 0,88% nos países selecionados. Em relação ao lucro líquido, subiu de 2,18% para 2,35%.

“Temos observado uma tendência de estabilidade dos investimentos em patamar acima de R$ 2 bilhões, um esforço das empresas, apesar das dificuldades econômicas”, afirma Anna Maria Peliano, coordenadora da pesquisa.

A queda nesses investimentos foi menos acentuada na área de educação, o que, consequentemente, ampliou a participação do setor de 39% para 42%, segundo o levantamento.

Além dos R$ 2,1 bilhões aplicados de forma voluntária, os entrevistados relataram valor semelhante destinado, por obrigações legais, a ações socioambientais voltadas para as comunidades em que atuam, sendo 50% para melhorar a infraestrutura nesses locais e 31% em projetos de defesa de direitos humanos, além de outras ações com menor representatividade.

Peliano afirma que, do valor aplicado em ações sociais, apenas 20% foram captados por meio de programas de incentivos fiscais, patamar que tem se mantido nos últimos anos. Segundo ela, a cultura é a única área em que o incentivo tem peso grande, de 69%.

Em relação ao movimento de realinhamento dos investimentos sociais, 78% dos entrevistados realizaram no ano passado redirecionamento do conteúdo de projetos em curso para adequá-los aos negócios e 71% afirmaram que seguirão essa linha de atuação nos próximos anos.

Entre as principais atividades realizadas pelas empresas para alinhar os investimentos sociais, está o apoio a startups sociais, iniciativa apontada por 66% das empresas entrevistadas.

De acordo com Peliano, essa é uma área de atuação que se destacou na pesquisa deste ano, mas que ainda carece de mais detalhamento, o que deverá ser feito nas próximas edições.

“Estamos vendo um movimento muito grande de empresas baseadas em tecnologia com roupagem para serviços e produtos que tenham impacto sociais. Esse é um ponto que esse ano começa a aparecer um pouco mais e vamos querer, no futuro, ver o que está sendo feito nessa área e que, até então, era muito pequena.”

Fonte: Folha

Clima

 

Cotação


Cotações de Moedas fornecidas por Investing.com Brasil.
​​